Casados e rivais: José Raposo e Sara Barradas vão ser concorrentes em televisão

José Raposo e Sara Barradas são casados desde 2011 e, agora, preparam-se para competir em televisão. O ator estará em “Como Um Rio”, da SIC, enquanto a atriz protagonizará “Quero é Viver”, da TVI.

07 Nov 2021 | 9:54
-A +A

José Raposo, de 58 anos, vai ser rival de Sara Barradas, de 30. Mas só a nível profissional. Marido e mulher vão competir em televisão, em canais opostos, em projetos com estreia marcada para o próximo ano.

Por um lado, o ator vai integrar o elenco da nova trama da SIC, “Como Um Rio”. Por outro, a jovem já anda a gravar a próxima novela da TVI: “Quero é Viver”. José Raposo marca, assim, o seu regresso à ficção em 2022, embora o arranque das gravações esteja marcado apenas para o início em dezembro.

No futuro trunfo da estação de Queluz de Baixo, Sara Barradas vai dar vida à personagem Olga Lobo. Já José Raposo, segundo a TeleNovelas, estará encarregue de vestir a pele um mendigo que esconde muitos segredos.

A mesma publicação refere que as duas novelas vão ser transmitidas no mesmo horário. Deste modo, se foi a novela “Espírito Indomável”, da TVI, que os juntou, agora, o casal, cada um na sua trama, vai competir frente a frente na guerra das audiências.

José Raposo e Sara Barradas casaram-se em 2011, numa cerimónia discreta, e têm uma filha em comum. Lua tem dois anos.

 

Sara Barradas abre o seu coração a José Raposo

 

Sara Barradas faz questão de ‘gritar’ ao mudo todo o orgulho que sente por José Raposo. Em outubro, o ator foi homenageado no Auditório Municipal Lourdes Norberto pelos seus 40 anos de carreira e a companheira não hesitou em felicitá-lo nas redes sociais com uma declaração de amor.

Sara Barradas aproveitou ainda o momento para elogiar e enumerar várias qualidades de José Raposo. “O Zé é dos actores mais intuitivos que vi e/ou conheci. Possuidor de grande inteligência cénica, grande sensibilidade artística e grande versatilidade. É dos mais completos. Sem formação: canta, dança e representa com mestria. No drama e na comédia (…). Além de tudo isto, é impossível não gostar dele enquanto ser humano, porque como ele há muito poucos. Quem o conhece sabe do que falo. O Zé é empatia, é compaixão, é cuidado, é humildade, é generosidade, honestidade, é tranquilidade, sensibilidade, é altruísmo, é reconhecimento, é crença, é verdade, é amor. E todos os seus defeitos se perdem nesta sua grandeza de espírito. Tudo o que se disser sobre ele será pouco”, frisou ainda.

 

Leia tudo aqui.

 

Texto: Carolina Sousa; Fotos: Arquivo Impala e reprodução redes sociais

PUB