“Acabou mesmo”: Bruno Savate fala sobre Joana Albuquerque e revela se tem namorada

Bruno Savate garantiu que é “completamente mentira” que tenha traído Joana Albuquerque e assegurou que está solteiro. Sobre a antiga relação, não há volta a dar: “Acabou mesmo”.

10 Mai 2021 | 20:10
-A +A

Bruno Savate esteve à conversa com Manuel Luís Goucha na emissão desta segunda-feira, 10 de maio, do vespertino da TVI. O ex-concorrente do “Big Brother – Duplo Impacto” abriu o coração e falou de vários temas, inclusive sobre os rumores de que já terá um novo amor e as acusações de traição a Joana Albuquerque.

O pugilista de boxe francês foi acusado de ter traído a ‘beta’ de Cascais com Jéssica Neves. Algo que Bruno Savate nega. “Não, isso é mentira. Completamente mentira”, disse.

“Cá fora, os portugueses têm de entender que já não é um programa da vida real. Agora é a realidade ,é a minha privacidade, é a privacidade da Joana… Eu vou respeitá-la e espero que ela também o faça comigo, porque neste momento já não estamos juntos. Acabou mesmo. Os portugueses têm qdee entender uma coisa: eu não tenho que expor a Joana, não tenho de me expor, mas sim salvaguardar. Eu não posso ir jantar com pessoas amigas que já dizem que eu namoro com essas pessoas”, atirou, garantindo que está atualmente solteiro. “Eu não estou com ninguém neste momento”, frisou.

 

Bruno Savate sente que falhou com avó: “Ela é o meu anjo da guarda”

 

Bruno Savate foi criado por avós até aos 12 anos. “Eram como uns pais para mim”, confessou o ex-concorrente do “Big Brother – Duplo Impacto”, que chorou a morte da avó aos 18 anos.

A familiar morreu vítima de cancro e Bruno Savate sente que falhou no papel de neto. “Sinto que falhei com ela. Eu chorava. Não conseguia dar-lhe a força que ela precisava. Sabia que ela estava nas últimas e eu não conseguia. Só a abraçava e dava-lhe beijos, não havia muito a dizer”, recordou. “A minha avó é o meu anjo da guarda”, acrescentou.

Mas nem tudo foi mau. Foi também com 18 anos que conheceu aquele que considera ter sido “o amor da sua vida”. “Foi uma história bonita. Uma boa memória. Posso dizer que foi o amor da minha vida até hoje”.

 

A morte de Rocky: “Eu teria dado a minha vida pelo meu gato”

 

Bruno Savate deixou a casa dos pais aos 24 anos. No entanto, não ficou sozinho por muito tempo. O jovem optou por adotar um gato, Rocky. “Escolhemo-nos um ao outro. Ele era tudo para mim”.

O animal de estimação acabou por morrer em 2018, ao fim de oito anos juntos, e o lutador de boxe francês ficou com uma depressão, da qual ainda está a recuperar. “Foi uma fase difícil da minha vida. (…) Eu teria dado a minha vida pelo meu gato”, referiu, para depois frisar que foram os pais, os “seus mais-que-tudo”, a aperceberem-se de que algo não estava bem.

 

Texto: Márcia Alves; Fotos: reprodução redes sociais

PUB
Top